Avaliação Inclusiva: Como Avaliar um Aluno com Deficiência ou Dificuldades de Aprendizagem

avaliação inclusiva

Avaliação inclusiva é um tema nebuloso para muitos profissionais do AEE. Infelizmente quando pensamos em aplicar uma prova, imediatamente vem a nossa mente aquela imagem de fileiras de alunos sentados em suas carteiras, com a cabeça baixa e em silêncio, diante de uma folha de papel que vai definir sua nota mediante as respostas que ele escrever.

Apesar desse método “antiquado” de avaliar ser utilizado em 99% das escolas (você precisa concordar comigo que esse tipo de avaliação, utilizado há décadas atrás, está antiquado para a década de 2020), esse não é um método inclusivo, longe disso.

A avaliação inclusiva deve estar atrelada à atenção diversificada, mediante a adaptação do currículo às diferenças características e necessidades educativas de cada educando.

Ou seja, devemos ter atenção às especificidades de cada aluno. Se a prova do aluno é sobre matemática, devemos nos concentrar em avaliar sua capacidade matemática. Porém, a leitura e interpretação dos enunciados das questões deve ser motivo de avaliação? O que você acha?

Entende que para um aluno, com necessidades específicas, ler e interpretar um enunciado pode ser um desafio muito maior do que para a maioria? No fim das contas, a interpretação pode não ser o objetivo final da avaliação, a não ser, é claro, que seja uma avaliação de interpretação de textos.

O ponto que quero chegar é, se queremos ter uma avaliação inclusiva, devemos apresentar ao aluno a menor porção possível de conteúdo e que tenha o máximo de significado para ele. Ou seja, todo o resto deve ser eliminado, tudo o que causa obstáculo para as necessidades específicas do meu aluno.

Avaliação Inclusiva

Avaliando um aluno com deficiência visual

Se o meu aluno for cego, eu diminuo a quantidade de informação que deve ser processada para se obter uma resposta em partes. Talvez uma pergunta grande tenha que ser dividida em 3 perguntas menores. Junto a isso, devo oferecer ao aluno a possibilidade de um leitor humano estar ao seu lado, lendo sempre o enunciado da questão quando necessário. Ai você me pergunta… mas o aluno não deveria saber braille e ler sozinho? Eu te pergunto: a prova é de leitura em braille? Se for um teste de braille, tudo bem, caso contrário, pode ser até de língua portuguesa que a presença de um leitor humano seria indicada.

Avaliando um aluno com deficiência intelectual

Se o aluno possuir algum déficit cognitivo, incluir seria diminuir o nível de abstração. Isso significa utilizar ilustrações ao invés de texto simplesmente. Ou ainda utilizar objetos concretos. Se queremos que o aluno identifique qual das formas geométricas é um quadrado, ao invés de apenas desenhar na folha, podemos oferecer os objetos concretos que foram utilizados durante as aulas, onde o aluno associou o objeto do quadrado com a palavra “quadrado”. Assim, diminuímos o obstáculo da interpretação e da abstração e focamos apenas no conteúdo que queremos avaliar.

Avaliando um aluno surdo

Com alunos surdos que se comunicam através de LIBRAS, fica muito evidente que, caso não seja uma prova de língua portuguesa, é mais do que direito do aluno ter um intérprete de LIBRAS para auxiliá-lo em todas as questões. A mesma dica de diminuir o tamanho das perguntas grandes serve aqui. Sempre quando temos uma mudança de meio de comunicação, diminuir uma mensagem grande em mensagens menores é inteligente. Isso serve para LIBRAS, Braille e Comunicação Alternativa.

Concorda comigo? Sei que o assunto é polêmico e receberei críticas. Mas como dizem algumas das pessoas mais brilhantes que conheço: se o seu trabalho não receber críticas, você está fazendo algo errado.

Ah, agora vem a questão da ajuda.

Devemos oferecer ajuda durante a avaliação inclusiva?

Podemos instigar ao aluno com deficiência responder correto as atividades e avaliações?

Para responder a essa pergunta eu vou falar um pouco do método ABA. Você conhece?

O Método ABA é uma espécie de treinamento de condutas, uma terapia comportamental, que pode ser feito em casa ou por terapeutas e funciona com a determinação de um DESAFIO e seu cumprimento através de AJUDA total, leve ou sem ajuda, seguido de um REFORÇO.

O importante aqui é “AJUDA total, leve ou sem ajuda”.

Esses são níveis de ajuda e eu acredito que, da mesma forma que fazemos com o ABA, podemos fazer na sua avaliação inclusiva.

Você pode sim entregar a prova sem ajuda, ou ainda tentar uma ajuda leve em algum momento, ou ainda ajuda total. É claro que, toda ajuda que for dada deverá ser documentada junto com a avaliação, para que essa avaliação possa ser repetida se necessário, com menos ajuda posteriormente, após uma ação de complementação pedagógica do conteúdo que deve ser aprendido.

No começo de qualquer aprendizagem, o conteúdo não está bem compreendido; em consequência, precisa ser frequentemente revisto para não ser esquecido. Uma aprendizagem nova deve ser revista várias vezes nos primeiros dias. Se isso não foi feito antes da avaliação, fica difícil para qualquer aluno, principalmente para o que apresenta dificuldades.

Antes de aplicar sua avaliação inclusiva…

A avaliação é um processo complexo capaz de mexer com a autoestima das pessoas, influenciando e alterando a percepção de sua autoimagem, o que repercute decisivamente no decurso da aprendizagem e aumenta a responsabilidade e a necessidade de um trabalho afetivo, ampliando as chances de êxito na esfera educativa.

Quando falamos em trabalho afetivo, estamos falando em criar vínculos, estabelecer a empatia, gerar confiança. Isso pode e deve ser aprendido.

Um lembrete do nosso querido Manzini:

Há fatores biológicos e fatores ambientais que podem interferir na estratégia pedagógica. Por exemplo, o cansaço do aluno ou do professor, a não aceitação do aluno em realizar atividade, o nível de complexidade da atividade (podendo ser de fácil realização, causando desmotivação ou pelo contrário, de difícil realização, causando frustração), sono, reações adversas de um provável remédio que o aluno faz uso, além de lugares com muita interferência sonora. – MANZINI, 2010.

E você? Quantas vezes repete um conteúdo antes de aplicar uma avaliação? Você dá vários conteúdos diferentes e junta todos eles em uma única avaliação? Ou você aplica uma avaliação para cada conteúdo, depois de repetir e exercitar várias vezes? A educação inclusiva nos coloca em desafio diário não é mesmo? Mas isso é bom. Eu acredito que, no fim das contas, nosso trabalho vale muito a pena, porque estamos ajudando a transformar vidas de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Espero que esse conteúdo curto tenha ajudado você em alguma coisa.

Repensar nossa prática pedagógica é assumir que, de fato, não sabemos tudo. Como dizia Paulo Freire: ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.

Um grande abraço e até a próxima!

Leandro Rodrigues

Professor nos cursos do Instituto Itard, especializado em Educação, Diversidade e Inclusão Social, com foco em Tecnologias Assistivas e Comunicação Alternativa. A equipe do Instituto Itard é formada por professores, tutores e consultores especializados em educação especial e educação inclusiva.



17 thoughts on “Avaliação Inclusiva: Como Avaliar um Aluno com Deficiência ou Dificuldades de Aprendizagem

  1. Patrícia says:

    Excelente explanação!! Seria maravilhoso se as escolas em geral trabalhassem nessa perspectiva com os alunos do AEE, porém não é bem isso que acontece.

  2. Maria Lucy Batista de Amorim says:

    Obrigada por me passar essas dicas, pois trabalho com alunos especiais e enfrento obstáculos em relação a avaliação deles na sala regular. A resistência é muito grande por grande número de professores. Tem uns que dizem: “como vou avaliar esse aluno?? Ele não tem capacidade pra fazer nada!!!!”

  3. aparecidaxavierdossantos says:

    Boa noite .o conteudo muito interessante faz com que temos novo olhar e uma boa refleccao. Todo material tem varias expl. Que nos ensina avaliar a educacao especial ao todo , questiona a estar no lugar .

  4. Silna Sodré da Motta says:

    Certamente possível de executar. Dedicação e perseverança são as chaves para avaliá-los com inteireza de possibilidades. Muito obrigada professor!!!

  5. langeinteligente says:

    O conteúdo faz-nos permear em um mundo de dedicação com olhares diferentes. A reflexão gera questionamentos e possibilidades para novas avaliações; novas técnicas de expor conteúdos, bem como de comprovar a aprendizagem.

  6. Michela Morette Dantas says:

    Professor Leandro suas palavras refletem exatamente a realidade que vivi esse ano como estagiário de uma criança de inclusão, uma menina de 12 autista severo. Adotamos o método ABA que na prática na minha opinião é o melhor, da resultados positivos. Com inclusão, temos ser empáticos, agir com muito respeito e muita afetividade. Encantada por saber que todo trabalho realizei reflete a realidade do melhor a ser feito! Me motivei mais ainda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *