5 dicas para criar atividades adaptadas na Educação Especial

Olá! Sei que criar atividades adaptadas é um desafio diário para a maioria dos professores, tanto do AEE quanto da sala de aula regular.

Se você concorda comigo, essas dicas são para você.

Bom, diretamente dos membros da equipe do Boardmaker, que estudam formas de fundamentar o currículo da educação especial com as melhores práticas, essas dicas revelam o que eles pensam sobre maneiras de implementar atividades em casa, na clínica ou na sala de aula. São 5 dicas fáceis (fundamentadas em pesquisa científica) que irão ser mais fáceis de implementar do que você imagina.

Dica #1: Leia e Releia!

Sugerimos que você leia e releia o mesmo livro todos os dias da semana. E a cada leitura defina um novo propósito, como por exemplo: identificar a ideia principal, pensar em um novo título, ou até conectar o livro com experiências pessoais. Fazer a releitura dessa forma irá aprimorar a interpretação de texto, fluência, e até mesmo a independência. Você vai notar o aumento de confiança e engajamento a cada releitura. Isso fará a experiência ainda mais gratificante! (Fountas, I. C., & Pinnell, G. S.,1996)

Dica #2: Ensine Palavras Muito Utilizadas

Os especialistas dizem que vocabulário é conhecimento, e quer saber? É verdade! Quanto mais palavras você sabe, mais conceitos você entende. As palavras estudadas são aquelas que dão as crianças o poder de engajar inteiramente tanto na escola quanto na vida. As palavras escolhidas devem ser as que são frequentemente encontradas nos livros utilizados pelos alunos, mas podem não fazer parte do vocabulário expressivo das crianças. Estenda e aprimore cada nova palavra pedindo que os alunos gravem vídeos usando-as! Além disso, de ênfase as palavras estudadas quando se deparar com elas em outros livros, atividades e conversas. (Baumann & Kame’enui, 2004.)

Dica #3: Forneça Repetição com Variedade

Todos precisamos de repetição quando estamos aprendendo coisas novas, mas para fixar mesmo precisamos mudar um pouco! Use variedades. Além da dica #1 (Leia e Releia para novos propósitos) atividades como jogos de tabuleiro, brincadeiras e bingo fornecem maneiras repetitivas, porém variadas de interagir com os vocabulários e conceitos que são introduzidos em cada livro. Você pode criar cartões ou atividades utilizando o Boardmaker. É possível baixar a versão gratuita do Boardmaker para testar por de 30 dias em Materiais Gratuitos e selecionar a partir de centenas de modelos pré-prontos que irão te ajudar a estender e enriquecer a aprendizagem de seu aluno. (Erickson, K. A., Clendon, S., Abraham, L., Roy, V., & Van de Carr, H., 2005).

Dica #4: Exemplifique e Suporte a Comunicação

Décadas de pesquisa nos dizem que linguagem e letramento reforçam um ao outro. Sempre forneça acesso às pranchas de comunicação e exemplifique como elas podem ser usadas para comunicar pensamentos, sentimentos e idéias durante as aulas. A prancha principal é de grande ajuda para ensinar aos alunos como achar, usar, e ler o banco de palavras. As pranchas de pequenas palavras ajudam os alunos a conectar seus pensamentos e idéias a linguagem, enquanto as pranchas complementares e rápidas dão aos alunos acesso rápido e significativo as palavras de conteúdo e interações sociais diárias durante a escrita.  Usando algumas ou todas essas pranchas em qualquer combinação irá maximizar a comunicação e abrir uma janela crítica em como seus alunos pensam. (Koppenhaver, D. A., Coleman, P. P., Kalman, S. L., & Yoder, D. E.,1991).

Dica #5: Sucesso atrai mais sucesso!

Aprendizagem duradoura envolve uma mistura artística de experiências fáceis e desafiantes. Quando as coisas são muito fáceis os alunos perdem interesse; muito difíceis e eles desistem. Cada nível de atividade deve oferecer uma mistura de fácil e desafiante no ponto certo. Utilizando Boardmaker as atividades são naturalmente divertidas, os alunos rapidamente transformam um pouco de sucesso em muita confiança e engajamento. Uma maneira fácil de construir em cima desse sucesso é encorajar os alunos a levar atividades para casa e compartilhar, ou brincarem de  serem os professores. Não existe forma melhor de se aprender do que ensinando aos outros o que estamos aprendendo! (Reyes, M. R., Brackett, M. A., Rivers, S. E., White, M., & Salovey, P., 2012).

E ai? O que você achou? Deixe sua opinião e ideias nos comentários logo abaixo.

Essas dicas foram adaptadas do post da professora Maureen Donnelly, Gerente de conteúdo da Tobii Dynavox (Boardmaker), de Portsmouth, New Hampshire, E.U.A.

Tradução: Sarah Bezerra
Adaptação: Leandro Rodrigues

Leandro Rodrigues

Professor nos cursos do Instituto Itard, especializado em Educação, Diversidade e Inclusão Social, com foco em Tecnologias Assistivas e Comunicação Alternativa. A equipe do Instituto Itard é formada por professores, tutores e consultores especializados em educação especial e educação inclusiva.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *