O que é Deficiência Auditiva e Surdez?

Saiba a diferença entre deficiência auditiva e surdez. Como lidar com a deficiência auditiva em uma escola inclusiva, quem pode ser considerado surdo e quais os tipos de deficiência auditiva.

 

 “A surdez é determinada e construída na educação e nas escolas a partir de diferentes formas multiculturais” (SKLIAR, Carlos)

 

Definição de Deficiência Auditiva e Surdez

A deficiência auditiva consiste na perda parcial ou total da capacidade de detectar sons, causada por má-formação (causa genética), lesão na orelha ou na composição do aparelho auditivo.

É considerado surdo todo aquele que tem total ausência da audição, ou seja, que não ouve nada. E é considerado parcialmente surdo todo aquele que a capacidade de ouvir, apesar de deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva. Entre os tipos de deficiência auditiva estão a condutiva, mista, neurossensorial e central.

Na deficiência auditiva condutiva ocorre interferência na condução do som desde o conduto auditivo externo até a orelha interna, e na maioria dos casos pode ser corrigido com tratamento clínico ou cirurgia. Já a neurossensorial ocorre quando há uma impossibilidade de recepção por lesão na orelha interna ou no nervo auditivo, esse tipo de deficiência é irreversível. A deficiência mista ocorre quando há ambas as perdas: condutiva e neurossensorial numa mesma pessoa. E a deficiência auditiva central, também conhecida como surdez central, não é necessariamente acompanhada de diminuição da sensitividade auditiva mas manifesta-se por diferentes graus de dificuldade na compreensão das informações sonoras.

Deficiência Auditiva e Surdez na Educação Especial Inclusiva

Para que aconteça uma boa inclusão escolar do deficiente auditivo é necessário que haja uma cumplicidade entre professor e aluno. É também preciso que o professor esteja em constante atualização, reconhecendo as necessidades de desenvolver métodos de comunicação com o aluno, de acordo com seu grau de entendimento.

Muitas vezes, apesar das tentativas do professor, o aluno com deficiência auditiva necessita de Atendimento Educacional Especializado (AEE) nas salas de recursos multifuncionais, em turno inverso ao das aulas. Nessas salas o aluno irá desenvolver suas habilidades com auxílio de profissionais da saúde e professores especializados, pois em alguns casos um só professor pode “não dar conta” das necessidades do seu aluno.

Ao receber um aluno com necessidades especiais é normal que o professor se sinta inseguro. O recomendável é que se procure informações sobre o aluno em seu ambiente familiar, fazendo a simples observação do comportamento do aluno ou até mesmo conversando com os responsáveis.

Os colegas de turma também sentirão diferença ao conviver com essa criança, por isso é muito importante que haja uma prévia preparação desses alunos. Fazer brincadeiras em que toda a turma fique sem ouvir é interessante, pois assim perceberão quão delicada é a situação do novo colega.

Para auxiliar à deficiência auditiva, existe a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), que se constitui em uma junção de gestos para expressar certa ideia.

Diferença entre curso livre e curso de extensão universitária

O que é um curso livre de capacitação?

É todo curso que não possui uma regulamentação ou lei específica para ser ministrado. Por exemplo: dança, idiomas, informática, música, esportes, fotografia, artes, segurança e etc. Esses cursos podem conter carga horária, forma de avaliação e metodologia de ensino a critério da instituição que o oferece.

O que é um curso de extensão universitária?

São cursos extra-curriculares, oferecidos por uma Faculdade, que o acadêmico faz para enriquecer seu conhecimento sobre determinado assunto. No Instituto Itard, esses cursos são oferecidos pela nossa faculdade parceira apenas para graduandos ou graduados. Os cursos de extensão possuem carga horária menor que uma pós-graduação e não possuem regulamentação específica, podendo ter carga horária e métodos de avaliação variáveis.

O Plano Nacional de Extensão Universitária define a Extensão como “o processo educativo, cultural e científico que articula o ensino e a pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e Sociedade”.

Qual a diferença entre um curso livre de capacitação e um curso de extensão universitária do Instituto Itard?

Os cursos livres possuem uma duração mais curta e a certificação é emitida pelo próprio Instituto Itard, sem vínculo com instituição de ensino superior. Já nos cursos de extensão o conteúdo é mais denso, a carga horária dos cursos é maior, existe um nível de exigência maior em relação as avaliações e a certificação é emitida pela faculdade parceria. Ou seja, os cursos de extensão possuem vínculo com instituição de nível superior.

O curso de capacitação emite certificado de conclusão válido?

Sim, os cursos livres de capacitação possuem certificação do Instituto Itard, uma empresa legalmente autorizada a realizar treinamentos de cursos de capacitação válidos em todo o Brasil. Nossos certificados são válidos para concursos que pedem cursos de capacitação e/ou aperfeiçoamento.

O curso de extensão emite certificado de conclusão válido?

Sim, os cursos de extensão oferecidos pelo Instituto Itard possuem certificação emitida pela nossa Faculdade Parceira, uma instituição de ensino superior credenciada no MEC.

Quem pode se matricular em um curso de extensão?

Estudantes universitários e formados, a partir de 18 anos. Lembrando que, como complementação de estudos, alguns cursos são sugeridos para estudantes de cursos específicos – da área da pedagogia, por exemplo.

Quem pode se matricular em um curso livre de capacitação?

Qualquer um pode realizar um curso livre, sobre qualquer tema, mesmo que não esteja relacionado a sua formação original, ou mesmo que a pessoa ainda não tenha uma formação específica.

 

Contrato: termos e condições de uso

Confira as informações completas sobre os produtos e serviços do Instituto Itard. Este acordo representa o contrato, como um todo, entre você e o Instituto Itard, com relação ao Site e, caso seja necessário, às taxas dos serviços referentes a ele.

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

Bem-vindo (a) ao Instituto Itard (institutoitard.com.br), um serviço com o objetivo de ajudar educadores a oferecer uma educação mais inclusiva.

Este acordo representa o contrato, como um todo, entre você e o Instituto Itard, com relação ao Site e, caso seja necessário, às taxas dos serviços referentes a ele.

Ao visitar, tornar-se membro, adquirir uma assinatura como presente ou inscrever-se no Instituto Itard, você concorda, sem restrições, com os termos e condições de uso indicados abaixo.

Caso tenha optado pela forma de pagamento por Crediário, não deixe de ler o tópico 10 que trata do assunto.

1. Aceite dos termos

2. Mudanças nos termos

3. Prestação de serviços (dos Cursos, Tutoria, Certificação e Serviços)

4. Seus direitos

5. Uso do Serviço

6. Direitos de propriedade intelectual

7. Acesso e interferência

8. Política de segurança e privacidade

9. Fóruns comunitários, chats, quadros de avisos, colegas de turma (amigos virtuais) e envio de e-mail

10. Taxas e pagamentos (informações sobre Crediário, ler aqui)

11. Indenizações

12. Diversos

1. Aceite dos termos

Ao usar informações, ferramentas, recursos e funcionalidades do Instituto Itard, você concorda com este Acordo, seja como “Visitante” (o que significa que você só navega pelo site do Instituto Itard) ou como “Membro” (o que significa que você se registrou no site do Instituto Itard). O termo “você”, “Usuário” ou “Aluno” refere-se ao Visitante ou ao Membro. O termo “nós” refere-se ao Instituto Itard. Caso deseje se tornar Membro, comunicar-se com outros Membros e usar o Serviço, deve ler este Acordo e indicar que o aceita durante o processo de registro.

Caso não concorde com todos os Termos, não use este Site.

Por favor, veja todos os Termos com cuidado antes de usar o Site.

Ao usar o site, você concorda em seguir os Termos, afirma que tem mais de 16 anos e que é capaz e livre para assumir contrato.

Antes de continuar, você deveria imprimir este Acordo ou salvar uma cópia dele em sua máquina.

2. Mudanças nos termos

O Instituto Itard tem o direito de modificar este Acordo e qualquer política que pertença ou afete o site. O uso contínuo do site após a notificação de mudança no Termo de Uso será considerado como aceitação do Acordo. Se você não concordar ou não estiver satisfeito com as mudanças no Termo de Uso, você poderá cancelar sua inscrição ou seguir as instruções descritas acima. Além disso, o Instituto Itard se reserva o direito de modificar, suspender ou descontinuar o site a qualquer momento.

3. Prestação de Serviços

3.1 Cursos

Todos os cursos são disponibilizados em formato eletrônico, contando com apostilas digitais que podem ser arquivadas e/ou impressas por você. Todos os cursos cumprem com um conteúdo programático, disponível na página de “detalhes” de cada curso. Alguns cursos contam com recursos adicionais, como conteúdo interativo, vídeo-aulas e outros materiais de apoio.

O Instituto Itard se compromete a disponibilizar o acesso ao curso pelo tempo de 12 meses para que o você possa concluí-lo, após a data da compra.

Cada curso conta com uma carga horária estimada, porém não há nenhuma obrigatoriedade da sua parte em finalizar o curso dentro desta carga horária. O tempo de conclusão varia exclusivamente de acordo com sua disponibilidade e o seu ritmo de estudo, este tempo pode ser maior ou menor do que a carga horária inicialmente estimada para o curso, porém o Instituto Itard não é obrigado a monitorar o seu tempo de estudo e emitirá em sua certificação a carga horária total do curso contratado.

O Instituto Itard irá disponibilizar uma equipe de tutoria para auxiliar você em dúvidas referentes ao conteúdo do curso e atividades. O Instituto Itard fornecerá acesso a um certificado de conclusão de curso ao usuário que concluir com aproveitamento igual ou superior a 70%. Caso você não atinja o aproveitamento mínimo, caberá ao Instituto Itard, mediante solicitação do aluno, conceder nova chance para o aluno fazer as avaliações, sem custo adicional.

3.2 Tutoria

O Instituto Itard compromete-se a disponibilizar uma equipe de tutoria, formada por um ou mais profissionais, para tirar dúvidas dos alunos durante o curso e fazer as avaliações.

O contato com a equipe de tutoria é disponibilizado após o início do curso através de formulário de contato no site e/ou e-mail.

As dúvidas devem ser enviadas exclusivamente com a intenção de esclarecer algum tópico ou ponto que não tenha ficado claro durante o curso, não sendo obrigação da equipe de tutoria tratar dúvidas que não sejam relacionadas às matérias abordadas no curso.

O usuário poderá utilizar o apoio da equipe de tutoria durante todo o curso até sua conclusão.

Nos cursos que ensinam a manusear algum programa de computador específico, ou aparelho de comunicação alternativa, ou similares, como por exemplo “Software Boardmaker”, é de responsabilidade do aluno obter o programa para acompanhamento do curso. A obtenção do programa não é obrigatória para acompanhamento do curso, mas pode melhorar o aproveitamento. A equipe de tutoria pode, na medida do possível, auxiliar e enviar indicações de sites (quando disponíveis) onde você pode baixar esses programas, no entanto, a responsabilidade pela obtenção e instalação é sua.

Fica fixado um prazo máximo estimado de 2 dias úteis para a resposta da equipe de tutoria a qualquer questionamento do usuário, podendo esse prazo ser maior de acordo com a demanda dos alunos.

3.3 Certificação

Todos os usuários concluintes com aproveitamento mínimo de 70% devem receber um certificado de conclusão. Alguns cursos podem exigir um tempo mínimo para sua conclusão, ficando a emissão de cerificação condicionada a conclusão do curso com aproveitamento mínimo. O tempo mínimo para conclusão dos cursos é especificado na página de venda dos cursos no site do Instituto Itard (www.institutoitard.com.br).

Para os cursos livres de capacitação, os certificados são expedidos pelo Instituto Itard. O certificado de conclusão online será disponibilizado para impressão imediatamente após a conclusão do curso e confecção do certificado, que pode levar 2 dias úteis, de acordo com a demanda. O certificado original, impresso em papel especial de alta gramatura, é encaminhado aos Correios dentro do prazo de 2 a 8 dias corridos após a confecção do certificado, sem custo adicional. O prazo de entrega pode variar de acordo com a região do aluno e disponibilidade dos Correios.

Para os cursos de extensão universitária, os certificados são expedidos pela faculdade parceira. O certificado de conclusão será fornecido pela faculdade parceira responsável pelo curso de extensão, ficando estimado o prazo de produção do certificado de em média 60 dias, podendo esse prazo ser estendido, mediante inexatidão das informações pessoais ou documentações fornecidas pelos alunos, alta demanda da faculdade parceira, ou alta demanda do Instituto Itard. O envio é feito pelos Correios e o prazo de entrega pode variar de acordo com a região do aluno.

O certificado de conclusão é enviado diretamente para o endereço de cadastro do aluno. O Instituto Itard não se responsabiliza por informações incorretas ou incompletas fornecidas pelo aluno, nem pelos transtornos ou encargos decorrentes dessas informações imprecisas. O Instituto Itard se reserva o direito de cobrar taxas administrativas para corrigir possíveis erros ocasionados pela imprecisão das informações passadas por você.

Caso os Correios não possam realizar a entrega diretamente no endereço informado, caberá  a você verificar na agência dos Correios mais próxima como proceder para a retirada do certificado, caso esse fique retido na agência. O Instituto Itard fornecerá o código de rastreamento dos Correios, usado para acompanhamento da entrega e retirada em agências, quando necessário.

Caso seja necessária a inclusão de alguma informação adicional no certificado de conclusão, a solicitação deve ser feita antes da conclusão do respectivo curso e sua viabilidade será avaliada pela coordenação do curso, podendo a solicitação ser vetada caso a coordenação não a aprove.

Caso o certificado enviado ao aluno retorne ao endereço da contratada por endereço incorreto e/ou caso haja qualquer irregularidade ocasionada por erro do aluno, o Instituto Itard tentará enviar novamente o certificado por mais uma vez, após contato com o aluno para confirmar o endereço de entrega. Poderá ser cobrada alguma taxa administrativa pelo Instituto Itard para cobrir despesas de reenvio.

Os certificados dos cursos livres de capacitação são válidos em todo o Brasil como certificados de cursos livres e de atualização ou qualificação profissional, de acordo com a Lei no 9394/96, Decreto no 5154/04 e Deliberação CEE 14/97.

Os certificados de cursos de extensão universitária são válidos em todo o Brasil como certificados de curso de aperfeiçoamento para professores, expedidos por uma faculdade de pedagogia devidamente credenciada no Ministério da Educação (MEC).

Todos os certificados expedidos não são válidos como certificados de cursos de graduação/ensino superior ou técnicos.

3.4 Serviços

Ao fornecer os Serviços, nós não acompanharemos ativamente a visualização, transmissão e mudança de Material que é acessado por meio dos Serviços, nem manteremos qualquer obrigação de fazê-lo, a não ser o que for determinado por nós ou requerido pelas leis e jurisdições aplicáveis. Entretanto, sujeito aos Termos de Privacidade e Política de Segurança, nós reservamos o direito de monitorar os Serviços com a finalidade de determinar que o uso esteja de acordo com estes Termos e leis aplicáveis. Além disso e, conforme descrito nestes Termos, nós mantemos absoluto e incondicional direito de rever e remover o material acessível ou transmitido por meio dos Serviços que, em nosso exclusivo critério, acreditamos estar em violação das condições destes Termos ou ser inaceitável para nós.

De tempos em tempos e, sem a notificação imediata, nós podemos mudar, expandir e melhorar o Site e Serviços. Nós também podemos, a qualquer hora, cessar a continuidade de parte ou de todo o Serviço ou seletivamente desativar certos aspectos do Serviço ou partes do Site. Qualquer modificação ou eliminação dos Serviços será feita em nosso absoluto e exclusivo critério e sem uma obrigação ou responsabilidade com você, e seu uso do Site ou dos Serviços não lhe dá direito à provisão contínua ou disponibilidade do Site ou dos Serviços.

4. Seus Direitos

O Instituto Itard oferece a você um direito limitado, intransferível e não-exclusivo de acesso, uso e disponibilização do conteúdo deste Web Site, desde que você cumpra integralmente com os Termos aqui dispostos. Os materiais deste Site são fornecidos a você somente para uso pessoal, não comercial. Certos serviços deste Site estão disponíveis somente para membros registrados do Instituto Itard.

Ao optar por uma inscrição paga ou registrar-se em um curso grátis no Instituto Itard, você concorda com estes termos e com as condições descritas na seção 9 da Política de Cobrança do Instituto Itard.

5. Uso do Serviço

Seu direito de acessar e usar a o website do Instituto Itard (www.institutoitard.com.br) e o Serviço é pessoal e intransferível. Você só tem direito ao acesso e uso do Instituto Itard para propósitos lícitos.

Você é responsável por manter em sigilo dados de sua conta, seu usuário e senha para acesso ao Instituto Itard. Você concorda em notificar o Instituto Itard de qualquer uso sem autorização de sua conta do Instituto Itard. Para que o Serviço funcione com eficiência, você deve manter suas informações de inscrição atualizadas, precisas e detalhadas. Caso não o faça, a precisão e a eficiência do Serviço para você poderão ser afetadas, tais como: prazos de produção e entrega de certificados e outros produtos adquiridos no site; dados pessoais obrigatórios para emissão da certificação, entre outros. Você é o responsável pelas seus dados pessoais informados ao Instituto Itard e qualquer erro ou inexatidão das informações passadas será de sua responsabilidade.

Por critério único e exclusivamente nosso, podemos encerrar sua Conta ou modificá-la, reclamar ou remover qualquer nome de usuário associado à sua Conta por qualquer razão (inclusive razões associadas a uso indevido ou desautorizado) e não temos a obrigação de manter registrada sua Conta ou qualquer dado que você possa ter armazenado usando sua Conta ou nossos Serviços.

Seu acesso e uso do website do Instituto Itard podem ser interrompidos a qualquer momento por diversas razões, inclusive por erro de funcionamento, atualizações periódicas, manutenção ou reparo do website ou outras ações que o Instituto Itard, a critério da empresa, possa julgar necessárias. O Instituto Itard não se responsabiliza por quaisquer perdas decorrentes de seu uso dos serviços, dos programas e softwares, dos materiais, dos arquivos de vídeo e áudio, do conteúdo ou das comunicações do Instituto Itard.

6. Direitos de Propriedade Intelectual

Todos os materiais dos serviços do Instituto Itard, inclusive o conteúdo, o texto, as imagens, os softwares, os arquivos de áudio e vídeo, as documentações e o Website permanecem todo o tempo como propriedade exclusiva do Instituto Itard e/ou de seus fornecedores. Esses materiais previamente mencionados estão protegidos sob os direitos autorais internacionais, marcas registradas e outros direitos de propriedades intelectuais. Você não pode anunciar, distribuir, sublicenciar, traduzir ou reproduzir quaisquer materiais que possuem direitos autorais, marcas registradas ou outras informações sem a prévia autorização emitida por escrito pelo Instituto Itard.

7. Acesso e Interferência

Você concorda que não irá:

  • Usar robôs, sistemas de varredura e armazenamento de dados (como “spiders” ou “scrapers”), links escondidos ou qualquer outro recurso, ferramenta, programa, algoritmo ou método coletor/extrator de dados automático para acessar, adquirir, copiar ou monitorar o website Institutoitard.com.br ou qualquer parte dos serviços fornecidos virtualmente pelo Instituto Itard, sem permissão por escrito expressa pelo Instituto Itard. Conceder tal permissão é algo que pode ser feito somente a critério do Instituto Itard;
  • Usar ou tentar usar qualquer mecanismo, software ou programa, ferramenta, agente ou outros dispositivos e mecanismos (incluindo, mas sem se limitar a navegadores, spiders, robôs, avatares ou agentes inteligentes) para navegar ou buscar dentro do website do Instituto Itard que não sejam os buscadores disponíveis dentro do Serviço e outros mecanismos de busca disponíveis comumente em navegadores de terceiros, tais como o Internet Explorer da Microsoft;
  • Postar ou transmitir qualquer arquivo com vírus, “worms”, cavalos de Troia (“Trojan horses”) ou qualquer outro recurso que contamine, destrua ou interfira de qualquer forma no uso apropriado do website e dos serviços virtuais do Instituto Itard; ou
  • Tentar decifrar, desmontar, decompor ou fazer a engenharia reversa de qualquer software que consista em ou faça parte do Instituto Itard, seu website ou o Serviço.

Por favor, perceba que as taxas usuais de sua operadora, como taxas de navegação 3G, se aplicarão quando você acessar o website do Instituto Itard com seu dispositivo portátil.

8. Política de Segurança e Privacidade

Seu uso de nosso Site e qualquer informação pessoal ou qualquer outra informação sobre você coletada pelo Instituto Itard por meio do Site ou em conexão a ele (qualquer dado que não seja conteúdo gerado pelo usuário) está sujeito à nosso Política de Privacidade e Segurança.

Conforme indicado nos Termos, nosso site não é desenvolvido para atrair crianças com menos de 16 anos. Não coletamos de forma consciente dados de pessoas com menos de 16 a menos que obtenhamos permissão dos pais da criança ou guardião legal.

Para dúvidas sobre nossa política de privacidade e segurança online, por favor, consulte a Política de Privacidade e Segurança.

9. Fóruns comunitários, chats, quadros de avisos, colegas de turma (amigos virtuais) e envio de e-mail

Você é o único responsável pelo conteúdo destas mensagens conforme especificado na seção 4: por usar estes serviços, você concorda em não publicar e não compartilhar qualquer material que contenha:

  • Conteúdo que não seja original ou que você não tenha recebido consentimento para postar.
  • Contenha linguagem inadequada ou qualquer linguagem de baixo calão, pornográfica, sexualmente explícita, caluniosa ou difamatória.
  • Tentar contato com outro usuário do Instituto Itard sem solicitar a permissão deste outro usuário.
  • Violar qualquer regra ou regulamento, ou infringir qualquer direito de terceiros.
  • Materiais que contenham vírus ou qualquer outro material que possa corromper, destruir ou incapacitar o funcionamento do software, hardware ou a telecomunicação.
  • São considerados “spams”, materiais como correntes, junk e-mail ou outras solicitações do gênero.
  • Tentar se passar por outra pessoa ou violar a segurança de outros usuários do Instituto Itard.

 

As opiniões e mensagens postadas pelos usuários do Instituto Itard não refletem e não são representações das ideias do Instituto Itard ou seus funcionários, afiliados, fornecedores e parceiros. O Instituto Itard não é responsável pelo conteúdo das mensagens enviadas pelos seus usuários para outros usuários dentro do ambiente da escola.

O Instituto Itard pode remover qualquer mensagem postada a qualquer momento. O uso do diretório por membros da comunidade online do Instituto Itard para qualquer fim diferente do proposto pelo site é estritamente proibido.

10. Taxas e Pagamentos

Você será requisitado a se registrar e criar uma conta com o Instituto Itard para acessar todas as ferramentas e Serviços do Site. As informações adquiridas por meio do seu cadastro e as informações da sua conta serão submetidas ao nosso Termo de Uso e Política de Segurança e Privacidade. Você assume e garante que não criará nenhuma Conta para outra pessoa além de você e que as informações passadas são reais, precisas e completas.

Certos materiais e funções do Instituto Itard estão disponíveis apenas por meio da matrícula num plano de curso do Instituto Itard. Nos termos da seção 3, você é responsável por qualquer cobrança associada ao acesso à escola. O Instituto Itard se reserva ao direito de mudar os valores dos cursos e instituir novos valores a qualquer momento, sobre a responsabilidade de notificar no site.

Ao matricular-se em qualquer curso do Instituto Itard, você concorda com os nossos seguintes Termos da Política de Cobrança:

Política de Cobrança

As taxas que se aplicam ao uso do Instituto Itard Avante incluem impostos, juros, parcelas cobradas em seu cartão e outras taxas referentes ao uso da internet.

É possível saber o valor atual de seu curso verificando as páginas de compra

Cursos gratuitos

Eventualmente oferecemos cursos gratuitos em caráter promocional limitado. Caso você usufrua de um curso gratuito para conhecer o Instituto Itard, atente-se às condições. Para ativar seu período de curso grátis, você deve fornecer todas as informações pessoais solicitados com exatidão. Assim que recebermos sua inscrição para um teste grátis de nosso curso, você ganhará acesso imediato à escola. Não cobraremos você durante o período grátis. Ao final do periodo de curso grátis, o curso será encerrado e nada será cobrado.

Os cursos grátis podem ficar disponíveis por um periodo inferior ao periodo dos cursos pagos (12 meses). Verifique o periodo do curso grátis na página de anuncio do curso grátis no site do Instituto Itard no momento da inscrição. O Instituto Itard se reserva no direito de suspender o acesso aos cursos grátis a qualquer momento, sem aviso prévio.

Pagamentos pela internet

Todos os produtos e serviços do Instituto Itard podem ser pagos pela internet, através de boleto bancário emitido pelo próprio Instituto Itard, ou através de um intermediador de pagamentos “PagSeguro da UOL”, para transações através de cartões de crédito, débito, transferências e outras formas de pagamento oferecidas pelo intermediador de pagamento. O intermediador de pagamentos é o único responsável pela segurança das informações sigilosas informadas para a realização das transações.

Para conhecer outras formas de pagamento, consulte-nos no ato da matrícula.

No Instituto Itard, o cancelamento dos pagamentos podem ser solicitados em até 7 dias após o pagamento. Após esse período de 7 dias os pagamentos não serão cancelados.

Pagamentos por crediário

O Instituto Itard pode oferecer a modalidade de pagamento por crediário quando achar conveniente,  podendo negar crédito para determinado cliente caso esse se encontre inadimplente junto ao Instituto Itard, ou se encontre negativado em serviços de proteção de crédito.

Caso você escolha o pagamento por crediário, concordará com a taxa de juros e multas por atraso (se houverem) , que são especificadas nos boletos das parcelas.

A inadimplência dos pagamentos das parcelas poderá ocasionar cobranças periódicas e inclusão do contratante em serviços de proteção de crédito mediante aviso prévio por e-mail, telefone ou carta.

O Instituto Itard se reseva no direito de não emitir certificações, declarações, ou qualquer outro tipo de documento, bem como realizar a tutoria, de alunos que se encontram na condição de inadimplente, com parcelas em atraso.

Caso o aluno precise fazer renegociação das parcelas, deverá entrar em contato com a equipe do Instituto Itard, para estudar as possibilidades de acordo.

Pagamentos offline

Consulte nossa equipe no momento da matrícula por telefone.

11. Indenizações

Você concorda em compensar, defender e considerar o Instituto Itard e seus afiliados, parceiros, fornecedores e funcionários a ficarem livres de quaisquer responsabilidades, reclamações, custos ou danos que possam aparecer, devido ao uso do Site ou pelo seu não cumprimento sob quaisquer obrigações acertadas aqui.

12. Diversos

Se qualquer parte deste Acordo for considerada ilegítima, nula ou inexequível por qualquer mediador ou corte de jurisdição competente, este Acordo como um todo não deverá ser considerado ilegítimo, nulo ou inexequível; tão somente aquela parte do acordo será ilegítima, nula ou inexequível e deverá ser desconsiderada.

Você concorda que, se o Instituto Itard não exercer ou exigir qualquer direito legal ou reparo previsto neste Acordo (ou qualquer direito ou reparo a que o Instituto Itard tenha o direito legal), tal ato não será visto como renúncia formal dos direitos do Instituto Itard e tais direitos ou reparos ainda estarão disponíveis ao Instituto Itard.

O Instituto Itard trabalha com o sistema de Nota Fiscal Eletrônica. As notas fiscais são emitidas diretamente no site da Prefeitura de Teresópolis, Rio de Janeiro. Se desejar, você pode solicitar as instruções para acessar sua nota fiscal. A nota pode ser impressa diretamente no site da Prefeitura e tem o mesmo valor de uma nota fiscal convencional.

A nota pode ser emitida também em nome de Empresa (Pessoa Jurídica). Para isso basta que você entre em contato e envie os dados da empresa por e-mail: Razão Social, CNPJ, Inscrição Estadual e Endereço completo.

Todos os contratos, acordos, representações e garantias que apresentarmos nestes Termos deverão permanecer válidos após seu aceite do Acordo e cancelamento do Acordo.

Este Acordo representa a totalidade dos termos e condições entre você e o Instituto Itard no que diz respeito ao uso do site e da escola do Instituto Itard e substitui todos os contratos anteriores.

Fica eleito o Foro da comarca de Teresópolis – RJ para dirimir toda e qualquer questão oriunda do presente Acordo, renunciando a qualquer outro, por mais privilegiado que seja.

Se você tiver alguma pergunta sobre estes termos de uso ou a respeito de qualquer outra política do Instituto Itard, entre em contato conosco pelos nossos canais de atendimento no site www.institutoitard.com.br ou telefone 21 3641-4947

O Instituto Itard encontra-se na Rua Guaicurus, 248 – Jardim Meudon – Teresópolis – RJ. Inscrito sob o CNPJ 12.533.947/0001-47, possui razão social: Instituto de Capacitação Profissional Cursos Avante Ltda.

10 fatos da História da Educação Especial que você precisa saber!

Hoje em dia, apensar da inclusão estar na moda, ainda tem muitos que desconhecem qual era a realidade das pessoas com deficiências até poucos anos atrás! Conheça 10 fatos intrigantes da história da educação especial que merecem ser lembrados.

 
1º – O Extermínio de Pessoas com Deficiência na antiguidade

Tribos indíginas, como os Esquimós, além de grandes civilizações como os Gregos antigos, ou os Espartanos, matavam as pessoas com deficiencias assim que essas nasciam. Essa prática era realizada, sem ódio, normalmente, conforme a organização sócio-cultural da época.

Segundo Sêneca (Lucius Annaeus Sêneca – 4 A.C. a 65 D.C.) , devemos fazer tudo o que precisamos fazer com naturalidade, eliminando da obrigação o aspecto ódio. E ele cita alguns exemplos que eram bastante óbvios para os romanos daquela época:

“Eliminai, então, do número dos vivos a todo o culpado que ultrapasse os limites dos demais, terminai com seus crimes do único modo viável… mas fazei-o sem ódio”… “Não se sente ira contra um membro gangrenado que se manda amputar; não o cortamos por ressentimento, pois, trata-se de um rigor salutar. Matam-se os cães que estão com raiva; exterminam-se touros bravios; cortam-se as cabeças das ovelhas enfermas para que as demais não sejam contaminadas. Matamos os fetos e os recém-nascidos monstruosos. Se nascerem defeituosos ou monstruosos, afogamo-los. Não é devido ao ódio, mas à razão, para distinguirmos as coisas inúteis das saudáveis”.
(…portentosos fetus extinguimus, líberos quoque; si debilis monstrosique editi sunt, mergimus; nec ira, sed ratio est, a sanis inutilia secernere – “De Ira”, de Sêneca).

2º – A inclusão social das pessoas com deficiências no Egito Antigo

O povo Egípcio buscava o desenvolvimento espiritual através da tradição de ensinamentos. Neste sentido, existia um documento chamado “Instruções de Amenemope”, que era tido como um código de conduta moral egípcio e que determinava que anões e deficientes em geral fossem respeitados: “Não faça gozações de um homem cego nem caçoe de um anão, nem interfira com a condição de um aleijado. Não insulte um homem que está na mão de Deus, nem desaprove se ele erra.” (KOZMA et al, 2011).

3º – Do extermínio à exclusão social – Idade Média

Pessoas doentes, defeituosas e/ou mentalmente afetadas (provavelmente deficientes físicos, sensoriais e mentais), em função da assunção das ideias cristãs, não mais podiam ser exterminadas, já que também eram criaturas de Deus. Assim, eram aparentemente ignoradas à própria sorte, dependendo, para sua sobrevivência, da boa vontade e caridade humana. Da mesma forma que na Antiguidade, alguns continuavam a ser “aproveitados” como fonte de diversão, como bobos da corte, como material de exposição, etc.

4º – Os Surdos não podiam casar e acreditava-se que não tinham alma imortal, no início da idade média.

A situação do surdo na Idade média não era muito diferente da existente na época clássica. Acreditava-se que a alma dos surdos não era imortal já que não conseguiam dizer os sacramentos e até ao século XI estavam impedidos de casar. Segundo Santo Agostinho (354-430 d.C) aqueles que tinham filhos surdos estavam a pagar pelos seus pecados. No entanto, é ainda na Idade Média (em 700 a.C.) que surge a primeira tentativa de ensinar um surdo a falar – educação especial para surdos. Este episódio passou-se com o Arcebispo de York, John Beverley que ensinou um surdo a falar contrariando as ideias de Aristóteles.

5º – Os deficientes mentais são considerados seres diabólicos – o predomínio da concepção metafísica da deficiencia na Reforma Protestante

Durante o período da Reforma Protestante, considerada ‘época dos açoites e das algemas’ na história da deficiência mental. O homem é o próprio mal, quando lhe falece a razão ou lhe falte a graça celeste a iluminar-lhe o intelecto: assim, dementes e amentes são, em essência, seres diabólicos.” (Pessotti, 1984, p. 12). Assim, constata-se que, conquanto na Antigüidade a pessoa diferente não era sequer considerada ser humano, no período medieval, a concepção de deficiência passou a ser metafísica, de natureza religiosa, sendo a pessoa com deficiência considerada ora demoníaca, ora possuída pelo demônio, ora “expiador de culpas alheias, ou um aplacador da cólera divina a receber, em lugar da aldeia, a vingança celeste, como um para-raios…” (Pessotti, 1984, p.5-6).

6º – As instituições de confinamento para deficientes surgem como “serviço social”.

é a partir do fim do século XIII que a prática da caridade se torna uma espécie de “serviço social local” para o qual colaboram todas as instâncias responsáveis pelo “bom governo” da cidade. Dentre tais instâncias encontra-se a Igreja – não propriamente em função da religião, como seria de se esperar, mas pelo fato de que as autoridades religiosas (o bispo, o cônego, por exemplo) teriam as mesmas responsabilidades das autoridades leigas (senhores notáveis e burgueses).

A prática assistencial está diretamente relacionada ao surgimento das instituições de confinamento. Nesse modelo de intervenção o atendimento aos carentes constitui objeto de práticas especializadas. Assim surgem diferentes equipamentos sociais – tais como hospitais, asilos, orfanatos, hospícios – que oferecerão atendimento especializado a certas categorias da população que outrora eram assumidos, sem mediação, pelas comunidades.

7º – A deficiência começa a se desvincular das superstições

As primeiras reações contra a idéia de que a deficiência era ligada ao demônio partiram dos médicos Paracelso e Cardano que consideravam a deficiência como problema médico e digno de tratamento e complacência. O saber médico sobre a deficiência começa a ser produzido e para Cardano e Paracelso os deficientes poderiam ser treinados e tinham direito a essa educação. A importância de Paracelso está em sua obra Sobre as Doenças que Privam os Homens da Razão, escrita em 1526, mas somente publicada em 1567, após sua morte. A obra traz, pela primeira vez, uma autoridade reconhecida da medicina fazendo a consideração médica de um problema que, até então, era tratado como teológico e moral.

8º – Jean Itard – O pai da Educação Especial

No século XIX na França, Jean Itard elaborou o primeiro programa sistemático de educação especial, sendo assim considerado o pai da Educação Especial. A primeira experiência realizada por ele foi em 1800, quando investiu na tentativa de recuperação e educabilidade de Victor de Aveyron, ‘o menino selvagem’ (uma criança encontrada na floresta, vivendo como um animal, sem conhecer qualquer forma de comunicação). Foi uma das primeiras tentativas de educar e modificar o potencial cognitivo de uma criança ‘diferente’.

As metas pedagógicas de Itard

1. Interesse pela vida social.
2. Despertar a sensibilidade nervosa.
3. Ampliar esfera de idéias.
4. Levar ao uso da fala.
5. Exercitar operações da mente.

Em 1970, o cineasta francês François Truffaut realizou, a partir dos relatórios do médico Jean-Marc Itard, um filme intitulado O Garoto Selvagem (L’Enfant Sauvage), disponível gratuitamente em https://www.youtube.com/watch?v=K6GZPuxuBTU

9º – A roda dos expostos – O Extermínio de deficientes no Brasil no século XVII.

A história da Educação Especial no Brasil foi determinada, pelo menos até o final do século XIX, pelos costumes e informações vindas da Europa. O abandono de crianças com deficiências nas ruas, portas de conventos e igrejas era comum no século XVII, que acabavam sendo devoradas por cães ou acabavam morrendo de frio, fome ou sede. A criação da “roda de expostos” em Salvador e Rio de Janeiro, no início do século XVIII e, em São Paulo, no início do século XIX, deu início a institucionalização dessas crianças que eram cuidadas por religiosas.

10º – A primeira instituição para atendimento às pessoas com deficiência mental – ao invés da morte, o acolhimento.

O Hospital Juliano Moreira em Salvador, Bahia, fundado em 1874 é considerado como a primeira instituição para atendimento às pessoas com deficiência mental.

A influência da Medicina na educação destas pessoas perdurou até por volta de 1930. Atrelada aos pressupostos higienistas da época, o serviço de saúde do governo orientava o povo para comportamentos de higiene e saúde nas residências e nas escolas. Dentro desse princípio, a deficiência mental foi considerada problema de saúde pública e foi, então, criado o Pavilhão Bourneville, em 1903, no Rio de Janeiro, como a primeira Escola Especial para Crianças Anormais. Mais tarde, foi construído um pavilhão para crianças no Hospício de Juquery. A Medicina foi sendo gradualmente substituída pela Psicologia e a Pedagogia. Agora não mais mortos ou abandonados, mas institucionalizados.
Entretanto, tais iniciativas aconteciam nos grandes centros. No geral, as crianças com deficiências deficiências continuavam sendo cuidadas em casa ou institucionalizadas.

Interessante não né? Você já conhecia todos esses fatos? Sabe de algo mais para acrescentar? Faça seu comentário aqui nesse post e compartilhe seu conhecimento!

Quer saber mais? Faça o Curso Grátis de História da Educação Especial, disponibilizado pelo Instituto Itard.

Vale a pena conferir o curso e ficar sabendo de muito mais pontos super interessantes da grande jornada que foi a Educação Especial na história da humanidade (e essa jornada ainda está acontecendo… não é mesmo?) . Matricule-se gratuitamente no curso e participe do exclusivo fórum do curso, compartilhando experiências com outros colegas e o seu Tutor Online, além de poder testar seu conhecimento com exercícios de múltipla escolha ao final do curso. Você recebe seu certificado por e-mail gratuitamente quando concluir o curso, com carga horária de 20 horas e duração mínima de 10 dias.

A inclusão da Educação Especial e sua história

Introdução

Essa pesquisa tem o intuito de mostrar como foi a evolução da inclusão do deficiente na educação e sociedade. Ao longo do tempo, o homem aprendeu que todos devem ter oportunidades iguais, podendo assim ter uma vida digna como qualquer outra pessoa.

Demorou muito para que o mundo, e principalmente o Brasil vissem que a educação é um direito igual de todos. E que com ela o deficiente poderia ser integrado à sociedade, obtendo uma melhora significativa em seu desenvolvimento.

O trabalho apresenta também os períodos vivenciados na evolução da inclusão do deficiente na educação, e suas conquistas alcançadas até o momento atual. E no Brasil, esse processo foi diferente dos demais países europeus e americano.

No Brasil as leis beneficiaram bastante ao acesso a educação de pessoas deficientes, contudo o que é visto na prática é diferente, pois muitas escolas ainda não estão preparadas para receber essa clientela.

Enfim, é visto que a educação ainda peca em algumas questões na inclusão do deficiente ao ensino, mas o homem já mudou bastante em suas concepções na integração deles a sociedade.

Desenvolvimento

Na história da educação especial e da inclusão social do deficiente, podem-se ver grandes mudanças ocorridas durante toda vivência do homem. O mundo passou por diversas fases na forma de tratamento ao deficiente, de abandonados ou mortos, a sua inclusão social no mundo atual.

Em épocas remotas, principalmente nas sociedades greco-romanas, toda criança que possuía deficiência física, cognitiva ou sensorial eram rejeitas. Muitas eram abandonadas, e outras até mortas, pois na visão deles elas não possuíam uma beleza, o que era muito valorizado por aqueles povos.

Pesquisas feitas mostram que muitas tribos indígenas, através de sua cultura, matam a criança deficiente ou frágil de saúde assim que ela nasce, pois acreditam que estejam praticando um ato de amor. Isso acontecia nos primórdios, e é visto até hoje na cultura de algumas tribos indígenas brasileiras.

Foram vários estudiosos que colaboraram na integração dos deficientes ao meio social e a educação, e seu desenvolvimento. Um dos pioneiros, sempre lembrado como “o pai da Educação Especial”, foi o médico Jean Marc Gaspard Itard. Ele ficou conhecido por ter elaborado o primeiro programa sistemático de Educação Especial, e por ter tido a experiência na recuperação e na tentativa de educabilidade do menino Vitor de Aveyron, “o menino selvagem”.

Vitor vivia na selva em meio aos animais, e não falava e nem tinha um comportamento de um ser humano, pois, por ser abandonado na mata teve contato somente com os animais, seguindo assim seus hábitos de vida.

Essa experiência foi um marco na história da Educação Especial, pois depois disso foram desenvolvidos vários programas para a inclusão e desenvolvimento dos deficientes no mundo.

Foram criadas várias instituições e hospitais para atendimento dos deficientes ao redor do mundo, e no Brasil demorou um pouco, vindo a ser implantado a partir do século XIX no então governo imperial.

Passado essa fase, os especialistas viram que não bastava uma instituição para o tratamento e educabilidade do deficiente, eles notaram que o desenvolvimento e inclusão deveriam acontecer junto, nas escolas normais, e em meio à sociedade. Foi então que países europeus e americanos começaram a integração dos deficientes nas escolas públicas.

No Brasil, esse processo também foi mais tarde, vindo a acontecer somente depois do ano de 1988, onde fora criado o artigo 208 da Constituição Brasileira que fala da integração do deficiente a escola regular de ensino.

É visto que a inclusão do deficiente ao meio social e na educação vem se transformando ao longo do tempo, e que melhoras são estudadas e aplicadas, porém muito se tem a fazer para o desenvolvimento da Educação Especial.

Conclusão

Portanto, ao fim da pesquisa, é concluído que o espaço utilizado por uma criança “normal”, tanto na sociedade como na educação, também é por direito das crianças especiais.

A escola e os Docentes devem ter em mente que o mesmo trabalho feito na sala de aula, deve ser consequentemente aplicado ao aluno deficiente. Para que não só o aluno deficiente se sinta integrado, mas que todos os colegas e comunidade escolar o tratem como uma pessoa “normal”.

Na história é mostrado como o deficiente era tratado através de crenças, costumes e até preconceitos. Hoje o que se vê no Brasil é um desenvolvimento profissional dos educadores, que estão se preparando melhor, porém a educação brasileira é falha em várias questões na Educação Especial.

Uma delas é a falta de profissionais na área, e um tratamento digno aos deficientes de nosso país. Enfim, por ser uma realidade vivida hoje a Educação Especial deve ser um trabalho árduo não só dos governantes, mas da educação e de toda sociedade.

Autor

Sebastião Adriano Freire
Graduando em Letras (Português)

Perdões MG – 2016